Home Sobre Mim Resenhas Colunas Contato Parceiros

Resenha: Os meus olhos que não eram os meus

Sinopse: Certo dia saí para uma viagem, pois precisava urgentemente me desligar um pouco do corre-corre dos negócios. Na verdade eu nem queria, mas fui induzido a ir. Melhor, praticamente forçado pela minha mulher e pelo médico. Todavia, em vez de uma viagem internacional, como programava inicialmente, viajamos para um arquipélago no litoral fluminense, no oeste do Estado do Rio de Janeiro. Ao retornar dessa viagem, algo intrigante e contraditório me aconteceu, pois, conquanto tenha sido tenebroso, levando embora uma parte importantíssima de mim, foi extraordinariamente magnânimo ao me proporcionar um encontro inusitado - como se sombra e luz tivessem combinado de se encontrar naquele trecho da rodovia, para disputar veemente um espaço na minha vida.  Depois desse acontecimento, a me colocar frente a frente com a escuridão e a luminosidade, acredito que tudo tem uma razão maior de ser e, consequentemente, que todo efeito tem uma causa. Entretanto, tenho buscado compreender essa causa que continua fora da minha capacidade de compreensão. Nem sei se compreenderei algum dia. Provavelmente, não! Porém, não importa. Apesar da irrefutável perda que isso tenha me trazido, o meu coração agora vive repleto de paz e - por mais que continue me parecendo incrivelmente estranho - passei a enxergar com outros olhos. 
Páginas: 399

  Eu estava muito animada para ler esse livro, tanto que quando ele chegou eu passei ele na frente de vários que já estavam na minha fila de espera, mas o livro não conseguiu realmente me prender e eu acabei arrastando a leitura desse livro por várias semanas. E como eu estava muito animada foi inevitável não criar expectativas mesmo sabendo que não é bom criar elas,  pois acabamos nos decepcionando, nem que seja um pouco. No entanto, eu não me decepcionei com esse livro.


 "Os meus olhos que não eram os meus" possui uma sinopse meio confusa, pois é um texto na visão de Saulo, mas não é só a sinopse, a história tem partes um tanto confusas que pedem um pouco mais de atenção do leitor.

"É... Cada qual com seu jeito de ser. Nem dedo da mão é igual ao outro, por que gente tem que ser?"

 O livro conta a história de Saulo, um advogado renomado e temido, em toda causa que ele entrava era certa a sua vitória, mas ele acabou se distanciando de sua família por conta do trabalho, ele não tinha tempo para brincar com seus filhos porque tinha que se dedicar à causa que iria defender, também não tinha tempo para relaxar e se divertir.
 Só que um dia Saulo acaba passando mal e seu médico recomenda que ele vá viajar e relaxar um pouco, pois sua vida está muito estressante. No entanto esse médico não é apenas um médico, ele é irmão de Saulo e algo muito sério aconteceu entre os dois, mas o que será?

"Remoer o passado não é aconselhável, meu filho. Se ele foi bom, causa ansiedade, vontade de vivê-lo de novo, o que quase sempre é impossível. Pior ainda quando essas lembranças não são boas, pois aí sofre de novo. Caminha-se para frente."

 Então Saulo decidi ir viajar com a sua mulher, era para ser uma viagem tranquila e divertida, mas os dois acabam sofrendo um acidente, nesse acidente Saulo acaba ficando cego e sua mulher está a beira da morte, mas depois do acidente ela percebeu que Saulo estava cego, com isso ela pediu para Carlos doar as córneas dela para o marido. 
 Saulo entra em coma e quando sai dele não consegue entender o que aconteceu, ele não se lembra de nada e fica se perguntando onde sua mulher está, está tudo confuso para ele, a única coisa que ele sabe é que passou a enxergar o mundo com outros olhos.
 Depois disso a história começa a se desenrolar, conhecemos os dois filhos de Saulo e outros personagens interessantes, descobrimos várias coisas que no começo pareciam estranhas e acompanhamos outros acontecimentos extraordinários.


 A leitura desse livro não foi muito fluida para mim, eu enrolei muito para ler ele, não conseguia me prender à história, mas não pense que é porque eu achei a história ruim, longe disso, é uma história muito bonita. Ela traz várias mensagens maravilhosas para o leitor, uma delas é não colocar o trabalho na frente de tudo, não virar uma máquina profissional e esquecer que você é humano, não deixar as pessoas que você ama e que te amam em segundo plano, pois elas merecem ser o primeiro e claro, dar valor ao que você tem, pois nunca sabemos quando iremos perder.

"Quem ama, simplesmente ama e pronto! Realmente não existe outra receita de amor senão amar. Pode parecer piegas, e muita gente certamente há de concordar, mas é fato: ou ama ou não ama."

 A diagramação desse livro me deixou encantada, é tão bem feita, a capa do livro é simplesmente maravilhosa, o título é em relevo e esses olhos verdes me chamavam para a história. Antes de começar a introdução do livro, há várias páginas pretas com um pequeno texto ou frase, algo que achei muito bonito também. O tamanho da fonte do texto está ótima, mas a fonte eu já não gostei muito, pois eu leio a noite e direto me confundia com algumas letras, mas não é nada que atrapalhe a leitura e as folhas são as queridas e famosas folhas amareladinhas.
 Quanto aos personagens, eu gostei bastante deles, a autora soube criar ótimas personalidades e atitudes bem compreensíveis e admiráveis. Confesso que o Carlos foi o personagem que mais me conquistou, ele é um homem muito inteligente e bonito em todos os sentidos, ele sofreu muito também e seu irmão o magoou bastante, mas quando Saulo precisou ele estava ali ao lado, mostrando que o amor de irmãos consegue ser maior que tudo e suportar muitas coisas. O filho de Saulo, Estevão, é um menino muito forte, passou por várias coisas, mas conseguiu compreender elas e se manteve feliz, soube perdoar quando foi necessário e nunca perdeu o bom humor. Só senti falta da autora falar mais sobre Lívia, a outra filha de Saulo, ela não aparece muito na história, fica meio que esquecida.

"As coisas, meu valente guerreiro, quando as amamos permanecem conosco, mesmo quando se vão fisicamente. Mas é preciso chorar, é bom chorar. Faz parte do processo de perda."

  "Os meus olhos que não eram os meus" é um ótimo livro, ele traz uma história maravilhosa que fala sobre o amor entre um homem e uma mulher, mas que também fala sobre o amor entre irmãos e entre a família, um livro que nos traz ótimas mensagens sobre perda e perdão. Enfim, um livro que tem muito para ensinar aos seus leitores e que faz os mesmos refletirem muito sobre as suas atitudes, super recomendo a leitura dele.

Deixe um comentário:

  1. Larissa, confesso que sua resenha me deixou mais confusa do que eu estava desde que vc apresentou a parceria. Confirmei que é um livro que não leria, pelo menos não por agora. Estou com muitos livros atrasados, e o que menos preciso é de leituras arrastadas.
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Lari! Gostei demais da capa rsrs A história parece ser bem interessante também... gosto de livros assim.

    Indiquei vc em uma TAG: http://youtu.be/Nu27Itpv7vU

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Parece livro de chorar :) que sinopse linda.

    Um beijo,

    Lis
    http://www.estilopravida.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    A capa do livro é bem interessante, mas a sinopse não me conquistou..

    Beijos..♥

    ResponderExcluir
  5. Não gostei muito da capa do livro, mas a sinopse me deixou muito interessado, parece ser bem emocionante, do estilo que eu gosto.

    Abraço,
    http://likelivros.blogspot.com.br/2014/09/destino-dos-sonhos-lugares-que-muitos.html

    ResponderExcluir
  6. Oi, Larissa, você gostou do livro e observou os pontos positivos. Já aconteceu comigo de uma leitura não fluir, ser lenta. Geralmente quando isso ocorre, é porque não gostei, mas pode acontecer de no final o resultado ser positivo. No entanto, eu não arriscaria cair em uma leitura assim agora, pois não posso me demorar com um livro assim. Por isso sou insistente e leio até terminar, porque só assim dá para opinar sobre a obra. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Lari lindinha a sinopse be confusa hein, confesso que a premissa do livro não me prenderu como eu gostaria , uma pena o livro não atender suas expectativas . Mas ainda sim destacou pontos que gostou . BEIJOS

    ResponderExcluir
  8. Oie,

    A sinopse me confundiu em alguns pontos, mas nada que eu não pudesse compreender, mas acho que essa historia não é pra mim, não consegui me sentir atraída pela historia, mas nunca devemos julgar uma historia sem a conhecermos né! Mas por agora eu não leria, quem sabe em outra ocasião!

    Mayla

    ResponderExcluir
  9. Oi Larissa, tudo bem?
    Realmente não devemos viver para o trabalho e sim trabalhar para viver, o tempo é tão curto e ninguém sabe o que o amanhã lhe reserva. Fiquei triste porque se ela doou as córneas é porque acho que ela morreu. Lindo o amor dela por ele.
    Confesso que fiquei sem saber o que pensar do livro, mas vou pesquisar.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi, Eu gostei da premissa e da resenha.
    Acho interessante o Saulo ter consagrado a vida ao trabalho, ter encontrado o irmão, ter sofrido o acidente e a doação de córneas. Eu tenho um palpite sobre o sumiço da esposa e achei fascinante. Pode ser confuso e a leitura ter sido arrastada mas a ideia é bem instigante.
    A capa é realmente linda <3

    Abraço
    Adriano
    GeraçãoLeitura.com || http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Sei como é ler um livro que você está louco pra ler e ele não consegue te pegar, mas mesmo assim você acha ele ótimo e não consegue para e de ler, mesmo que demore tanto. Bem vindo ao grupo hahaha. Minhas ultimas leituras foram assim, o ruim é quando o livro é ruim.
    Achei a história um tanto clichê: um advogado que ganha todas as causas, trabalha tanto esquece da familia, tem um piripaque e ressignifica a vida. Mas quem disse que um bom e velho clichê é ruim?!
    Fiquei intrigado nas partes em que você não deixa spoilers :/

    Ótima resenha, parabéns.

    Ah, eu não fui com a cara da capa :p

    ResponderExcluir
  12. Olá

    Eu estava curioso pelo livro, mas depois de saber que isso tudo é desenvolvido de maneira confusa fiquei com o pé atrás e por enquanto não quero ler. Achei a capa bem bonita também e a diagramação, pela foto que apresentou, parece bem agradável. Já imaginei essa história no cinema, daria um ótimo drama haha o bom é que os personagens são bem desenvolvidos e essa coisa de workaholic bem trabalhada. Mas ainda vou esperar muito pra decidir se lerei ou não.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Lari. Bem..a premissa do livro é interessante mas ao saber que você ficou confusa prefiro não ler agora. Tenho muito na fila. Sempre é péssimo quando criamos expectativa e elas não são supridas, mas que bom que apesar de tudo você gostou do livro.

    Beijos,
    Leitora Sempre

    ResponderExcluir
  14. Oi, Lari!

    Adorei a capa do livro, achei bem bacana, e eu sempre ilho primeiro a capa.
    A história pareceu bem legal tb, apesar da parte confusa que perdeu alguns pontos comigo. Gosto de livro simples e direto.
    Fiquei curiosa quanto as páginas pretas.... adoro livro criativo.
    Sua resenha tá nota 100000.
    Gostei muito.

    Beijao

    ResponderExcluir
  15. Olá, Larissa!
    O livro até tem uma premissa interessante - gosto dessas obras que fogem do convencional e introduzem uma ideia nova -, mas não acho que o lerei por enquanto. Não gostei da capa, mas a diagramação e o interior do livro parecem ser caprichados.
    Sua resenha me ajudou a compreender melhor a história, mas com isso só confirmei que meu interesse pelo livro não é dos maiores...
    Parabéns pela resenha!

    http://discodivinil.blogspot.com.br/

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Pela sinopse, não entendi absolutamente nada. Também não entendi bem a parte do livro não conseguir te prender, mas de não ter te decepcionado. E, bem, como a confusão não se resumiu à sinopse, também esteve presente em outras partes do livro, não fiquei com nenhuma vontade de ler, apesar das mensagens legais que ele passa.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  17. Larissa esse eh um livro que eu leria com certeza, se nao fosse os poréns. O titulo eh instigante e a história parece linda linda.. mas um livro de escrita confusa e que nao prende o leitor eh difícil de encarar.

    Beijos, Andressa

    ResponderExcluir
  18. Olá, Lari.

    Li sua resenha e realmente, a história desse livro parece ser muito confusa. Não gostei muito do enredo, porém, parece ser do tipo de nos leva a pensar e refletir sobre alguns pontos de nossas vidas. A diagramação dele é linda mesmo. Mas não sei se leria pelo fato de julgar ser um livro triste e de te ter feito arrastar a leitura.

    Até logo,
    Sérgio H.

    www.decaranasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Larissa,
    Esse livro tem uma temática bastante interessante porém meio incrível (no sentido de não crível). Ver a vida com outros olhos deve ser uma experiência maravilhosa, mas avassaladora, não?!
    Eu leria esse livro sim, embora um pouco desanimada por sua narrativa arrastada, contudo, não agora! Valeu pela indicação, já anotei aqui!
    Beijos
    Chrys Audi
    Blog Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
  20. Larissa, hoje terminei de ler "Os meus olhos que não eram os meus", da escritora Helenah, a quem tive a oportunidade de conhecer pessoalmente por ocasião da Feira Panamazônica do Livro, em setembro do ano passado. Quanto à história, eu não me acharia capaz de recomendar que a obra não seja lida, se não o que analisar? Mas não o classifico como grande obra, nem o incluiria dentre os livros que amo. Os cenários são pouco explorados e os tipos humanos são muito prodigiosos. Para quem adere a temáticas espiritualistas, fica a dica; já para quem gosta de conflito, de vicissitudes e revezes do ser humano, há pouco material literário. Boa leitura a todos!

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. to lendo ainda. gostaria de saber o nome do aplicativo para ver o vídeo da lembrança de quando era criança!
    me falem?

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde, Larissa. Terminei de ler o livro da Helenah, que conheci na Bienal do livro em Belo Horizonte. Uma simpatia de pessoa mas não recomendo o livro. Achei confuso, arrastado e cheio de histórias paralelas que não se conectam. Ficaram muitas pontas soltas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria
      Sério que você não curtiu? Uma pena a leitura ter sido tão negativa :/

      Excluir
  24. Olha, tive a oportunidade de comprar o livro. Confesso que no início fiquei meio perdida; mas com o decorrer da história eu me apaixonei pelo livro, romance, aventura, suspense... muito bom. Recomento demaisssssssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Samanta
      Fico feliz em ver que você gostou da leitura, realmente eu lembro de também ter ficado perdida no início do livro kkkk

      Beijos :*

      Excluir

 
Criado por: Bruna Borges || Todos os direitos reservados || Tecnologia do Blogger